sexta-feira, 4 de maio de 2012

Hot Adiction



Capítulo 17


- Amiga, por favor!
- Não dá, luuh...
- Por favor, estou de joelhos aqui em casa.
- Não posso, luuh. - sooph riu - E você não está de joelhos.
- Não estou, mas você podia muito bem ir comigo.
- Eu já combinei com o mica de sair hoje, nós vamos jantar, essas coisas...
- Tudo bem, então... Pelo menos me ajuda na roupa. Sobretudo, jaqueta de couro? Vai, me ajuda. - eu disse, jogando-me no sofá. Era sexta à noite e eu não estava nem um pouco a fim de ficar em casa, mas eu não tinha companhia...
Mas quem disse que lua blanco precisa de companhia?
- Sobretudo! Aquele bege que nós compramos semana passada...
- Verdade! - eu dei um gritinho. - Não usei ainda, obrigada, sooph.
Fiquei a tarde inteira pensando no restante de roupa que eu iria por. Aquele dia seria bem frio, segundo a previsão do tempo. Eu amo frio, mas amo mais ainda quando você pode dormir abraçada a alguém!
Fiquei vasculhando alguns canais da tv, tentando lembrar os lugares bons que Londres nos oferecia em uma sexta à noite, lembrei de um lugar que os meninos já tinham ido e elogiaram bastante.
E bom, pra todos eles gostarem, devia ser bom mesmo.

Terminei de ajustar meu sobretudo que completava minha roupa. Peguei a chave do meu carro e saí. Pensei ter ouvido meu telefone tocar, mas tinha certeza que não era. Algum dos vizinhos tem o mesmo toque de telefone que o meu e, sempre que toca, eu saio correndo para atender, mas dificilmente é o meu!
Cheguei ao barzinho e até que não estava muito lotado. Uma música agradável saía das caixinhas de som embutidas e mesmo não lembrando o nome, eu sabia cantar a tal música.
Caminhei vagarosamente até os altos bancos que ficavam no balcão (confesso que tenho dificuldades de subir em bancos muito altos).
Bebi, cantei, bebi, cantei, bebi e... Ah, era só isso que eu tinha para fazer. Depois de alguns drinks, senti meu corpo relaxar e, se eu saísse dali, certamente sairia tombando.
Se beber sentada, continue sentada. Foi o que me disseram uma vez, e pior que isso é verdade.
- A senhorita precisa de companhia? - ouvi alguém sussurrar em meu ouvido e eu estava prestes a xingar a pessoa, quando meus olhos encontraram os de chay.
- suede? - eu disse, sem esconder meu tom de surpresa.
- Oi, lua . - ele disse, sentando-se no banco ao lado.
- Você está me seguindo ou nos encontramos por acaso? - perguntei, vendo chay sorrir de lado e pedindo uma bebida qualquer ao barman.
- Se eu fosse orgulhoso, eu diria que foi por acaso, mas, na verdade, liguei para sua casa algumas vezes e depois para a sooph, que me disse que você estaria aqui. - eu havia avisado a sophia? Juro não lembrar disso. Ah, acho que me recordo algo sobre 'estou indo ao Puppet's, se resolver não deixar uma pobre amiga abandonada na mesa de um bar, aparece por lá'
Doce ilusão. sophia nunca que iria lá me fazer companhia... Eu ainda mato mica pela existência dele em algumas horas.
- Por que veio atrás de mim, então? - sorri, esperando a resposta.
- Você sabe que eu nunca - ele deu um gole na bebida que o garçom havia acabado de colocar na frente dele. - vou te abandonar, por mais que isso soe meio sadomasoquista, eu sempre vou estar de olho em você. Não queria que você ficasse sozinha e indefesa em um barzinho! - eu queria dizer 'oun' bem alto, mas apenas sorri, bem abertamente.
- Hey, eu não sou indefesa! Fiz aulas de karatê e com você ainda...
- Convenhamos, você nunca foi boa aluna!
- Até parece que não! Nunca faltei a uma aula...
- Não faltou, mas aposto que seu pensamento ficava em mim o tempo todo.

chay's POV

- Sonha, chay. Sonha! - ela disse, dando outro gole na bebida. No fundo, eu sabia que era verdade.
Mas o que eu estava fazendo ali, afinal? Ao lado da mulher que simplesmente me ignorou, que me fez e faz sofrer.
Na verdade, nem eu sei o porquê!
Quando liguei para ela, era mais para saber como estava, para conversar um pouco, não sei. Tudo bem que eu disse tudo o que disse pra ela, mas eu, simplesmente, não conseguia jogar fora os anos de amizade que temos (e acho que muitas vezes a amizade fala mais alto do que um amor não correspondido) e que se foda, eu já estava mais ferrado mesmo.
Mas eu não podia me deixar levar pela tentação...
Quando lua começou a contar piadinhas e a rir mais do que o devido delas, percebi que era hora de ir embora antes que ela arrancasse a roupa de tanto calor que ela reclamava estar.
Ela estava bêbada, óbvio.
- luuh, vamos? - eu disse, levantando-me. Paguei a conta, sem ela ver, mas ela nem tinha lembrado que tinha algo a pagar.
- Mas já? - ela fez bico, cruzando as pernas e fazendo o, hã, o casaco subir um pouco. Desviei a atenção e a puxei pela mão.
- Sim, agora! - eu disse em um tom autoritário e divertido ao mesmo tempo.
- Você não é meu pai! - ela cantarolou a última palavra, mas segundos depois levantou do banco e nós atravessamos o bar de mãos dadas.
E se não estivéssemos assim, ela teria caído.
- Onde está seu carro? - perguntei, parando na calçado do local. Ela me olhou com os olhos arregalados e depois os fechou e começou a mexer a boca, como se estivesse falando com ela mesma. Ri baixinho e ela pareceu ter um estalo mental.
- Ali! - ela apontou pro lado esquerdo e começamos a caminhar naquela direção. E eu sempre a segurando pra não cair.
- Eu dirijo. - disse, pegando a chave da mão dela.
- Dirija seu carro, né! - ela disse, toda ciumenta. É, ela tem ciúmes de tudo o que ela tem...
- Eu vim de táxi... - sorri convencido e ela virou os olhos, entrando do lado do passageiro.
- chay... - ela cantarolou meu nome, passando a mão pela minha coxa.
Finge não estar interessado!
- chay, pára de fingir que não está ligando! - ela disse, com a voz embolada, colocando a mão por debaixo da minha camiseta.
Eu não estou interessado.
Senti a mão dela adentrar minha calça e me martirizei por não ter colocado aquela merda de cinto. Sua mão gelada tocou meu membro e todo meu corpo relaxou com o toque dela, até que uma buzina nos despertou (percebi que estava quase subindo a calçada). Levamos um susto e lua voltou para o lugar dela, mas percebi um sorrisinho nos lábios dela.
Ah, se ela achava que eu ia cair na dela...

'1, 2, 3 not only you and me. Got one eighty degrees and I'm caught in between'

lua cantava e dançava de uma forma extremamente engraçada em frente ao espelho do elevador, fazendo umas caretas malucas.

'Countin' 1, 2, 3, Peter, Paul & Mary. Gettin' down with 3P, everybody loves ***'

Cruzei os braços, apoiando uma das minhas pernas na parede, enquanto observava lua dançar, cantar e fazer careta, com o canto dos olhos.
Por mais que ela tivesse feito o que fez, eu gostava de gostar dela, por mais que eu achasse que eu tinha que acabar com isso de uma vez!
lua era autêntica, engraçada e bonita. Provavelmente tudo o que eu preciso, já que eu não consigo esquecer essa filha da mãe.
- CHAY! - lua me despertou e a vi parada entre as portas do elevador, as prendendo. - Está sonhando acordado? - ela arqueou a sobrancelha. Balancei a cabeça um pouco, seguindo-a para o apartamento.
lua abriu a porta com dificuldade, mas abriu. Quando adentrou, ela afrouxou o fecho da sandália e 'chutou' o vento, fazendo as sandálias voarem sala adentro.
Arregalei os olhos e agradeci por ainda estar do lado de fora.
- QUE CALOR! - ela gritou, tirando o casaco e o jogando em qualquer lugar, revelando um vestido perto super curto e suas pernas cobertas pela meia calça fina à mostra. Desviei meu olhar das pernas pra algo qualquer na sala.
- luuh... Você não acha melhor tomar banho antes de dormir, não? Pelo menos você dá uma acordada, né. - entrei no quarto dela e ela estava jogada na cama.
- Não quero tomar banho... - ela virou pra mim. - Quero dormir, vem dormir comigo, vem! - ela esticou os braços e eu neguei com a cabeça.
- Banho, agora.
- Não vou, não vou. - ela levantou da cama e saiu correndo do quarto.
Eu só tinha que ignorar.
Ouvi algo quebrando e um grito de dor vindo da sala. Ri, me jogando na cama e esperando ela voltar.
- Bati minha perna. - ela se aproximou da cama, mostrando um risco em sua perna. Ela ficou me analisando, ali deitado e sorriu, pulando em cima de mim e quase esmagando todos os meus órgãos.
- Eu sei que você me quer... - ela cantarolou aquela frase e eu virei os olhos, negando com a cabeça. - Quer sim! - ela sorriu e puxou o vestido pra cima, revelando um sutiã vermelho estupidamente sexy. Ela se aproximou de mim e sussurrou em meu ouvido - Eu também te quero.
Toda minha promessa foi por água abaixo quando senti aquelas palavras serem sussurradas em meu ouvido. Meu corpo inteiro pediu por ela e eu ainda não havia aprendido como negar.
E, provavelmente, ela não lembraria de quase nada. Uns flashes talvez, mas nada que eu não pudesse desmentir.
Eu não estava sendo cafajeste, eu só estava querendo deixar as coisas para a hora certa.
Mesmo que para isso eu tenha que fazer as coisas não em suas horas e tenha que omitir alguns fatos.
Puxei lua sem delicadeza nenhuma, sentido seu corpo colidir contra o meu. Beijávamos-nos com força, vontade e, bom, da minha parte, saudade. Abri o fecho de seu sutiã com uma mão, enquanto a outra passava a mão por toda a extensão do corpo dela. Ela quebrou o beijo, tirando minha blusa e desabotoando minha calça, enquanto eu descia sua meia calça.
Nós já estávamos completamente sem roupa e senti lua se posicionar em meu membro.
- luuh... A camisinha. - eu disse, sem fôlego.
- Ah, chay, não estraga o momento! - ela disse, beijando meu pescoço e dando leves lambidinhas, o que me fazia arrepiar até onde não tinha porque. Peguei ela pelo braço e olhando significativo. Ela bufou e foi até minha calça. Pegou minha carteira, vasculhando até achar o que queria e abriu, me ajudando a colocar.
Ela se posicionou em cima do meu membro de novo, me ajudando a penetrá-la. lua cravou suas unhas em meu braço, mas não me importei muito com isso. Ela me puxou, fazendo que nós dois ficássemos sentados (ela em cima), seus seios batendo em meu rosto. Enquanto ela fazia movimentos e sussurrava meu nome, deixando-me completamente maluco, escolhi um dos dois e suguei com força, fazendo movimentos circulares com a língua.
lua levou uma das mão até meu cabelo, puxando-o com força, enquanto seus movimentos aumentavam. Apertei-a mais contra meu corpo, senti o calor dela. Ela foi aumentando gradativamente os movimentos e os gemidos. Jogou a cabeça para trás, fechando os olhos com força e fazendo suas unhas quase perfurarem minha pele. Deu um gemido alto e eu entendi o que era, mas eu ainda não tinha...
- Você ainda... - ela abriu os olhos, falando com dificuldade e me fitando. Respondi que não com a cabeça e ela voltou a me beijar, jogando seu corpo contra o meu e fazendo com que nós voltássemos a ficar deitados na cama. Apertei sua cintura, vendo a ficar de quatro na cama. A penetrei de novo, puxando-a mais contra meu corpo, enquanto eu a estimulava com o dedo.
Qual é, duas vezes não mata ninguém!
Fiquei naquele movimento de 'vai e vem', mas aumentando cada vez mais meu ritmo. Aumentei também os movimentos do meu dedo nela, vendo-a jogar a cabeça para trás várias vezes. Comecei a gemer e a arfar, sentindo lua também se movimentar, para me ajudar.
Senti uma onda de prazer me invadir e dei mais umas três estocadas e cheguei ao meu ápice. Respirei fundo e lua relaxou os braços, se jogando na cama e fazendo com que eu caísse em cima dela.
Rolei na cama, deitando ao lado dela e a observei, toda linda, respirando com um pouco de dificuldade, os olhos fechado e um meio sorriso no rosto. Bufei, sentindo um aperto no peito. Eu queria deitar ali, colocar a cabeça dela em meu peito e dormir até cansar.
Sim, cansar de dormir.
Mas eu não ia. Não podia.
Levantei da cama, tentando não fazer barulho, mas ela arregalou os olhos e me olhou.
- Aonde você vai? - ela perguntou, estreitando os olhos, provavelmente para conseguir achar um foco que não tivesse tudo meio embaçado.
- Lugar nenhum, volta a dormir.
- Não, chay, por favor. - ela apertou os olhos e vi uma lágrima sair de cada olho, escorrendo pela maçã do rosto dela. Desviei o olhar Para um objeto qualquer. - Não quero ficar sozinha. - ela sussurrou, esticando os braços para mim. Peguei em uma de suas mãos e a senti apertá-la com força. - Por favor, eu quero você! - Respirei fundo, soltando da mão dela. Logo ela estaria dormindo.
Deixei o quarto antes que me arrependesse e voltasse, deixando-a sozinha.
E saí.

6 comentários:

  1. poe os dois juntos por favooor !!!nessa ultima parte eu até me emocionei , esses dois tem que ficar juntooos !!!
    Bjuxx Mikaella

    ResponderExcluir
  2. A que fofo os dois juntos deixa eles juntos

    ResponderExcluir
  3. Eles são tão lindos juntos,por favooooor posta mais
    By; Grayce

    ResponderExcluir
  4. eu tambem quero os dois juntos

    ResponderExcluir
  5. Eu também quero a Lua e o Chay juntos...

    ResponderExcluir
  6. Leitora Nova
    Lua tem que ficar com Chay!

    ResponderExcluir